‘Mona Lisa Ducati’ vai a leilão a favor de #RaceAgainstCOVID

“Ducati Mona Lisa” é o nome da obra de Pop-Art criada pelo artista francês Jisbar (pseudónimo de Jean-Baptiste Launay), que será leiloada na quinta-feira 16 de julho, de modo a angariar fundos para a #RaceAgainstCOVID, a iniciativa organizada pelo fabricante de Borgo Panigale em apoio aos programa de reabilitação que o Policlínico de S. Orsola, em Bolonha, desenvolveu para os pacientes em convalescença de Covid-19.

 

A pintura integra a série ”Mona Lisa”, na qual que Jisbar reinterpreta a famosa obra-prima de Leonardo Da Vinci de diversas formas através do seu estilo imaginativo e colorido, que o está a consagrar como o um dos mais interessantes jovens a despontarem no panorama mundial da pop-art. Em “Ducati Mona Lisa” a figura feminina no centro da pintura está rodeada por elementos visuais e gráficos que evocam a história da Ducati, os modelos da sua gama e alguns dos seus mais famosos pilotos. O artista francês criou esta obra com grande entusiasmo e colocou-a agora gratuitamente disponível para apoiar a #RaceAgainstCOVID, iniciativa organizada pela Ducati.

 

A “Ducati Mona Lisa”, acrílico sobre tela de 141 x 106 cm, será colocada em leilão pela Cambi Aste na manhã de quinta-feira 16 de julho, durante o leilão #481 dedicado à arte moderna e contemporânea, fotografia e comics, começando pelas 10h00 e até ao fim do último lote. O leilão será transmitido em streaming e as licitações podem ser colocadas diretamente na página do site, que pode ser acedido através de um link obtido durante a fase de registo.

 

Os registos são se encontram abertos em www.cambiaste.com. O site está disponível em italiano, inglês, francês e chinês, enquanto que o streaming em direto será apenas em italiano.

 

As receitas da venda da obra serão inteiramente doadas ao Hospital Policlínico de S. Orsola em Bolonha.

Museu Ducati reabre com novas experiências

É já hoje, dia 4 de julho, a mesma data em que se comemora a fundação da Ducati há 94 anos, que o Museu Ducati e o laboratório educativo ‘Fisica in Moto’ na fábrica de Borgo Panigale vão reabrir as suas portas aos visitantes, após a paragem forçada devido à emergência sanitária.

 

A reabertura será gradual. Até 30 de setembro as visitas ao Museu Ducati e ao laboratório educativo serão limitadas ao sábado e domingo, com a exceção das semanas de 3 a 9 de agosto e de 17 a 23 de agosto, em que as visitas aos dias úteis serão também possíveis.

 

Um bilhete único estará disponível para os visitantes ao preço especial de € 25, que inclui a admissão ao Museu e uma visita guiada ao laboratório Fisica in Moto, uma oportunidade verdadeiramente única para descobrir a história do fabricante de motos de Borgo Panigale e as leis da física aplicadas ao mundo dos motores. As visitas à fábrica mantêm-se suspensas por razões de segurança, mas um novo tour virtual estará brevemente disponível no website Ducati.com, que permitirá aos visitantes verem por dentro as linhas de montagem.

 

De acordo com as regras de segurança contra a disseminação de Covid-19, o acesso às instalações será permitido a um máximo de 7 pessoas de cada vez e após terem reservado e comprado o bilhete no website https://www.ducati.com/ww/en/borgo-panigale-experience. As visitas são agendadas a cada 15 minutos das 9h00 às 18h00.

 

Durante todo o período de estadia dentro da área da empresa será necessário manter sempre um distanciamento social de pelo menos 1 metro e é obrigatório usar uma máscara cirúrgica. No caso do visitante não ter uma, esta será fornecida pelo staff do Museu.

 

De moto a assegurar uma maior disponibilidade para os visitantes e evitar ajuntamentos, a duração máxima da visita é de uma hora e meia (45 minutos no Museu e 45 minutos no Laboratório Fisica in Moto).

 

Novas experiências para descobrir a região

 

Também será possível combinar a visita ao Museu Ducati e ao laboratório educativo com novas “experiências” que o Museu Ducati oferece aos visitantes. Existem opções, em qualquer dos casos relacionadas com a visita ao Museu e à Fisica in Moto, divididas em dois tipos de propostas que pretendem dar a descobrir a história, tradição e beleza da Emilia-Romagna, região da qual a Ducati é uma das marcas mais representativas. Os itinerários propostos podem ser feitos em um dia, visitando Bolonha numa das novas e-bikes da Ducati, acompanhado por guias E-xplora certificados pela Academia Nacional MTB. Ou de moto, divididos por vários dias, de forma independente, mas com a possibilidade de seguir um itinerário expressamente desenhado, alugando uma Ducati para viajar através da beleza das paisagens dos Apeninos ou desfrutando da Riviera Romagna, ao longo de estradas alternativas que podem ser apreciadas de moto.

 

Eis as propostas:

 

E-bike: Bologna by E-xplora – um tour curto e um longo para visitar o centro da cidade de Bolonha, os seus monumentos históricos e as colinhas bolonhesas numa e-bike Ducati Scrambler em um dia. Em ambos os tours os visitantes serão acompanhados por um guia E-xplora certificado pela Academia Nacional MTB. O custo do tour pelo centro da cidade é de € 65, e o tour com o centro da cidade e as colinas é de € 85, com o aluguer da e-bike e guia incluídos. Para aqueles que o desejarem, existe ainda a oportunidade de almoçar na Ducati Scrambler Food Factory em Bolonha.

 

Moto: Mid-Reno e Vale de Savena – um roteiro perfeito para um tour de moto, descobrindo a antiga história dos Apeninos Bolonheses e as suas águas ao longo de duas estradas lendárias: a “Porrettana” e a “Futa”. Do Museu Ducati, na verdade, pode facilmente apanhar-se a “Porrettana”, a estrada entre Bolonha e Pistoia, construída em anos cruciais para o país, entre as guerras que trouxeram a independência e a unificação de Itália. Para ser feito de forma independente ou alugando uma moto na Ducati Factory Store (preços de aluguer de motos e equipamento listados no website Ducati).

 

Moto: Stradelli Guelfi. Da Idade Média às origens do motociclismo da Romagna, de Baracca a Taglioni, de Cervia a Cesenatico, as origens da Mototemporada Romagnola – a rota Stradelli Guelfi representa uma alternativa inteligente para ir até à costa, evitando o tráfego diário de verão rumo aos destinos da Riviera Romagna e descobrindo as estradas que contam as origens do motociclismo na região. O exemplo autêntico de um “slow ride”, a Stradelli cobre a faixa da Romagna que chega à Riviera de Ravenna, imersa no colorido campestre. Para ser feito de forma independente ou alugando uma moto na Ducati Factory Store (preços de aluguer de motos e equipamento listados no website Ducati).

Para saber mais sobre as etapas dos diferentes roteiros, vá ao website Ducati. Para informações e reservas, escreva diretamente para o serviço de receção do Museu Ducati: accreditamento.visitatori@ducati.com.

“The Red Essence. In white”: nova cor para a Ducati Panigale V2

A gama de cores para a Panigale V2 foi alargada com o novo esquema cromático White Rosso, que se conjuga com o monocromático Rosso Ducati, cor com a qual a moto foi apresentada em novembro passado.

 

O novo esquema de cores White Rosso tem o Star White Silk como cor principal. A predominância do branco coloca em evidência o design da Panigale V2, destacando as suas linhas e a pureza das formas geométricas. Ao mesmo tempo os pormenores em Rosso Ducati sublinham o seu caráter potente e desportivo. O Rosso Ducati dá cor às jantes, às entradas de admissão de ar frontais e aos defletores na parte superior das carenagens. Estes dois últimos toques em vermelho procuram acompanhar o percurso dos fluxos de ar no interior da moto, como o que alimenta o motor e aquele que passa pelo radiador.

 

A nova decoração fica completa com um toque desportivo adicional graças ao posicionamento nas carenagens inferiores do grande logótipo Panigale V2, inspirado pelo grafismo das motos da Ducati Corse.

 

Apresentando a Panigale V2 e protagonista da sessão de fotos e vídeo para o novo esquema de cores esteve o piloto da Pramac Racing Team, Francesco “Pecco” Bagnaia. De facto, Pecco desfrutou de uma antestreia da moto ao testá-la no Misano World Circuit “Marco Simoncelli”.

“Desde 2016, o meu lema pessoal tem sido #GoFree. Para mim significa viver com o espírito leve e despreocupado, divertindo-me e dando prioridade às coisas que gosto de fazer. Acho que a Panigale V2 se encaixa bem nesta definição e reflete o meu modo de ser”, diz Pecco Bagnaia, após testar a Panigale V2. “A nova decoração, com tanto branco, é muito bela e diferente do habitual. Apesar de ser uma moto de estrada, surpreendeu-me a velocidade que consegue atingir em curva. É uma moto divertida, muito estável e muito sincera, que nos permite andar depressa em segurança, sem ficarmos cansados, ao mesmo tempo que demonstra uma personalidade muito forte e decidida.”

 

A Panigale V2, apresentada há menos de um ano e capaz de conquistar de imediato um público entusiasta, é a super-mid das desportivas da Ducati e representa o modelo de entrada na família Panigale. É movida pelo motor bicilíndrico Superquadro de 955 cc (cumprindo com as normas Euro 5) e tem uma potência máxima de 155 cv às 10.750 rpm, bem como um binário máximo de 104 Nm às 9.000 rpm. A potência da Panigale V2 permite a diversão em pista, entregando nas mãos do piloto uma moto que nunca o coloca em dificuldade e permite ser sempre plenamente explorada. A entrega do motor bicilíndrico é tal que mais de 70% do seu binário máximo está constantemente disponível a partir das 5.500 rpm, permitindo-lhe sair das curvas rapidamente, mesmo das mais lentas.

 

O chassis da Panigale V2 está assente no quadro monocoque e encontra-se vestido com um elegante e desportivo design inspirado pelo da Panigale V4. A carenagem tem superfícies amplas e limpas que rodeiam os componentes mecânicos, evidenciando as dimensões reduzidas do bicilíndrico Superquadro e criando uma moto visualmente compacta.

 

O “ar de família” com os outros modelos Panigale é também sublinhado pelo monobraço oscilante, enquanto que a compacta saída única lateral do escape, com silenciador sob o motor, evidencia as linhas limpas da Panigale V2.

 

O completo e moderno equipamento eletrónico, assente na plataforma inercial de 6 eixos, não deixa m,argem para dúvidas quanto ao ADN desportivo da moto. O pacote de eletrónica, dedicado à segurança ativa e ao controlo dinâmico do veículo, inclui a função “cornering” aplicada ao ABS Bosch, uma caixa de velocidades com Quik Shift que funciona também nas reduções, e controlos de tração, de travão-motor e Anti Wheelie. Todos os controlos estão integrados com os três Riding Modes (Race, Sport e Street) que podem ser modificados através do ecrã TFT a cores de 4.3’’ do painel, com grafismo e interface desenhados para tornar a navegação nos menus e ajuste de definições intuitiva, bem como permitindo uma identificação imediata do Riding Mode selecionado.

 

A ciclística conta com uma suspensão totalmente regulável, com uma forquilha Showa Big Piston Fork (BPF) de 43 mm de diâmetro e um amortecedor Sachs preparado para tornar a moto intuitiva, ágil e divertida; para além disto, a calibragem específica dos travões hidráulicos torna-a confortável para utilização em estrada. Os pneus multicomposto Pirelli Diablo Rosso Corsa II, que combinam performance em pista com versatilidade na estrada, também contribuem para as qualidades dinâmicas da Panigale V2.

 

A ergonomia dos avanços e do assento do condutor oferecem uma posição de condução que não é cansativa na estrada e é eficiente em pista, permitindo ao piloto mover-se livremente.

 

O equipamento técnico fica completo com um amortecedor de direção Sachs e um sistema de travagem Brembo com pinças monobloco M4.32 ativadas por uma bomba radial. Os discos são de 320 mm de diâmetro à frente, com um disco único de 245 mm na traseira. A travagem é potente, nunca excessivamente agressiva e sempre ajustável.

 

A Panigale V2 com o esquema de cores White Rosso estará disponível nos Vendedores Autorizados Ducati em julho de 2020.

A Ducati inicia a produção da Superleggera V4

 

A primeira Superleggera V4 saiu das linhas de montagem em Borgo Panigale (clique aqui para o vídeo). Esta é a #001 das 500 unidades programadas numa série limitada e numerada; a única moto no Mundo homologada para utilização em estrada com o quadro, braço oscilante e jantes em fibra de carbono, está finalmente disponível. Uma obra-prima de engenharia mecânica, técnica e design “made in Italy”, que estabelece um novo padrão em termos de performance, estilo e atenção ao pormenor.

 

A exclusividade dos materiais e soluções técnicas adotadas na Superleggera V4 também se reflete no número máximo de motos a produzir: 500 unidades numeradas e acompanhadas por um certificado de autenticidade. A numeração progressiva das motos (XXX/500), coincidindo com o número do chassis, é exibida na mesa de direção e na chave de ignição.
O primeiro dos felizes proprietários desta fantástica moto foi convidado para Borgo Panigale para uma cerimónia de entrega e, nos próximos dias, encontrar-se-á pessoalmente com Claudio Domenicali, CEO da Ducati, para receber a sua Superleggera V4 001/500.

 

O carácter único do projeto Superleggera V4 é sublinhado pelas experiências que a Ducati em conjunto com a Ducati Corse, têm reservadas em exclusivo para os proprietários da moto: a “Superbike Experience” – a possibilidade de todos os fãs que comprarem a Superleggera V4 terão de experimentar a Panigale V4 R que participa no Campeonato do Mundo de SBK, na pista de Mugello. Ainda mais incrível e exclusiva é a oportunidade – limitada a 30 proprietários da Superleggera V4 – de adquirir o acesso à “MotoGP Experience”, realizando assim o sonho de qualquer entusiasta das motos desportivas. Pela primeira vez será possível pilotar a Desmosedici GP em circuito, acompanhado diretamente por técnicos da Ducati Corse. Ambas as “Experiências” foram confirmadas para 2012.

 

A atenção que completa a experiência de aquisição da Superleggera V4, também inclui a possibilidade de personalizar o fato de cabedal Superleggera V4 com air bags da linha “SuMisura Ducati”, bem como completar o ‘look’ com um capacete em carbono, ambos específicos para a moto, cujas cores e grafismo replicam.

 

Cada moto está equipada com um kit Racing: escape completo Akrapovič em titânio para uso em pista; tampa da embraiagem aberta em fibra de carbono com “slider” em titânio; kit de substituição da ótica e luzes; kit de remoção do suporte da matrícula; kit de remoção do descanso lateral; tampas em alumínio para os orifícios dos espelhos; Ducati Data Analyzer + GPS (DDA + GPS); tampão de gasolina racing, proteção da manete de travão, capa para a moto; cavalete dianteiro e traseiro e carregador de bateria.

 

A moto é entregue dentro de uma caixa de madeira com uma customização especial para o transporte desta obra-prima “made in Borgo Panigale”.
Finalmente, todos os clientes receberão uma reprodução escultural da Superleggera V4 à escala 1:10, modelada em formas futurísticas e aerodinâmicas. Uma verdadeira peça de colecionador, personalizada com o número da sua moto.

 

Superleggera V4

 

A Superleggera V4 é a única moto homologada para estrada no Mundo com toda a estrutura portante do chassis (quadro, sub-quadro, braço oscilante e jantes) feitos em material compósito, conseguindo uma redução de 6,7 kg no peso graças a estes componentes, comparativamente àqueles da Panigale V4 MY20. Para assegurar a mais elevada qualidade e padrões de segurança, estes componentes foram 100% testados recorrendo às mais sofisticadas técnicas oriundas da indústria aeroespacial, tais como a termografia, inspeções de ultrassons e tomografia.
A afinação específica do chassis dá-lhe um poder de desaceleração sem paralelo, uma extraordinária velocidade de descida em curva e uma tendência vincada da moto para fechar trajetórias à saída das curvas.

 

Muitos componentes são feitos em fibra de carbono, moldados em formas aerodinâmicas. Estes incluem a carenagem, que atinge níveis de eficiência mais elevados que os das motos de MotoGP de hoje em dia, que se encontram limitadas pelos atuais regulamentos técnicos. Graças aos apêndices aerodinâmicos biplano inspirados pela Ducati de MotoGP de 2016, com as melhores prestações no seu campo, consegue garantir uma carga aerodinâmica de 50 kg a 270 km/h, mais 20 kg que as geradas pelas asas nas Panigale V4 MY20 e V4 R. Esta carga aerodinâmica melhora a aceleração, contrariando a tendência de levantar a roda dianteira, e aumenta a estabilidade em travagem.

 

As carenagens em carbono são embelezadas com a decoração inspirada pela Desmosedici GP19, com uma alternância das linhas e profundidades entre a cor vermelha da GP19 e o carbono visível que evidencia as formas, os materiais e os pormenores técnicos. O vermelho continua nas faixas laterais coloridas dos pneus Pirelli Diablo Supercorsa SP, especificamente desenvolvidos na construção da Superleggera V4.

 

O mais potente e leve motor Desmosedici Stradale R encontra-se escondido por debaixo da pele em carbono. A unidade motriz V4 a 90º de 998 cc que propulsiona a Superleggera V4 pesa 2,8 kg menos que o V4 de 1.103 cc e, graças ao escape homologado Akrapovič, produz 224 cv em configuração de estrada (valores de homologação UE), que se transforam em 234 cv ao montar o escape em titânio da Akrapovič, para uso em pista, incluído no Kit Racing fornecido com a moto.

 

A natureza de competição do motor é evidenciada pelo uso da embraiagem a seco e pela ordem de ignição do sistema de distribuição Desmodrómico, feito manualmente por um especialista que, após verificação, confirma o resultado positivo inscrevendo a sua assinatura na placa de metal que embeleza a tampa em carbono da bancada de cilindros traseira.

 

Disponível apenas na Superleggera V4, ao carregar a calibragem do motor para o escape de competição, é possível ativar o display do painel “RaceGP”. Dirigido exclusivamente para uso em pista, deriva do painel de instrumentos da Desmosedici GP20, desenhado segundo as indiçaões de Andrea Dovizioso.

 

Graças à extensiva utilização da fibra de carbono e componentes feitos em titânio, magnésio e outros em alumínio a partir do bloco, a Superleggera V4 apresenta um peso a seco de 159 kg (16 kg a menos que a Panigale V4), resultando numa relação potência/peso de 1,41 cv/kg: um valor recordista para uma moto desportiva homologada. Em configuração de pista, ao montar o kit Racing fornecido com a moto, a potência sobe para 234 cv e o peso desce para 152,2 kg, com uma relação potência/peso de 1,54 cv/kg.

 

Os controlos eletrónicos também foram desenvolvidos sob uma perspetiva puramente desportiva. Por defeito, os seus parâmetros operativos são associados aos três Riding Modes com designações específicas (Race A, Race B e Sport). Para além disto, e pela primeira vez, podem ser adicionados cinco Riding Modes, personalizados de acordo com as vossas definições preferidas. Os pilotos podem monitorizar os tempos por volta mediante um Lap Timer, que agora permite registar as coordenadas da linha de meta e tempos intermédios para cinco circuitos favoritos, que podem ser ativados de cada vez que se sai para a pista sem ter de repetir todo o processo de carregamento de dados. Por defeito, o sistema propõe as coordenadas da linha de meta e intermédios de Laguna Seca, Mugello, Jerez, Sepang e Losail.
A isto adiciona-se um pacote eletrónico de última geração que inclui estratégias EVO 2 para o DTC e DQS up/down.

 

Suspensões Öhlins mais leves com forquilha pressurizada e bases mais leves em alumínio maquinado, uma mola de amortecedor em titânio e válvulas derivadas de GP, são parte do equipamento, melhorando o amortecimento de irregularidades no piso na fase inicial de compressão.

 

O sistema de travagem é o melhor na gama de produção da Brembo, com uma bomba MCS com regulação remota da distância da manete e pinças Stylema® R, exclusivas para a Superleggera V4, permitindo uma maior consistência do travão dianteiro durante longas sessões em pista.

 

Tudo isto se traduz num nível de performance de absoluto relevo. Alessandro Valia, piloto oficial de testes da Ducati, com a moto equipada com o kit racing e pneus slick, fez uma volta ao circuito de Mugello em 1m52.45s, a menos de dois segundos do tempo da Panigale V4 R SBK, vencedora do CIV 2019 com Michele Pirro.

 

Um exemplo da máxima atenção aos pormenores é a tampa do radiador em alumínio maquinado do bloco e uma chave de ignição dedicada com uma inserção em alumínio onde se indica o número da moto.

 

A Superleggera V4 é uma máquina extrema, desenhada e desenvolvida para conseguir a máxima performance em pista, mas ao mesmo tempo garantindo a fiabilidade e a facilidade de condução que são requisitos de uma moto desportiva homologada para estrada. Com esta moto a Ducati aumenta ainda mais os limites. A competência técnica e conhecimentos desenvolvidos e continuamente evoluídos em MotoGP tornam-se disponíveis para os fãs da técnica e da performance em duas rodas.

 

#SuperleggeraV4 #DreamsMatter

 

A Ducati apresenta a nova Hypermotard 950 RVE

A Ducati apresenta a nova Hypermotard 950 RVE, que integra a família das fun-bike de Borgo Panigale, situando-se entre o modelo de entrada Hypermotard 950 e a topo de gama Hypermotard 950 SP.

 

A Hypermotard 950 RVE caracteriza-se pela sua decoração denominada “Graffiti” que é inspirada pela arte urbana. Esta moto surge na sequência do sucesso conseguido em 2019, especialmente nas redes sociais, pela Hypermotard 950 Concept apresentada no prestigiado Concorso d’Eleganza Villa d’Este.

 

Com o intuito de transferir a mesma qualidade de construção da concept bike da qual deriva para o modelo de produção, foi necessário, nas fases de pintura, empregar trabalho altamente especializado, utilizar autocolantes de espessura muito reduzida e adotar um processo particularmente longo e complexo. O resultado é comparável ao trabalho de pintura de carenagens com um aerógrafo.

 

Não somente o grafismo, mas também o equipamento de série sofre um upgrade nesta versão. O pacote eletrónico da Hypermotard 950 RVE é melhorado com a adição do Ducati Quick Shift (DQS) Up and Down EVO, que se vem juntar aos componentes já integrados na versão base, nomeadamente o Bosch Cornering ABS com função Slide by Brake (no nível 1), Ducati Traction Control Evo (DTC EVO) e Ducati Wheelie Control (DWC) EVO.

 

A Hypermotard 950 é a fun-bike por excelência da gama Ducati, e foi desenhada para garantir um elevado nível de diversão e controlo na sua condução. O design agressivo do modelo, inspirado pelo ‘look’ supermotard, gira em torno do duplo silenciador sob o assento e as reduzidas superestruturas que deixam visíveis os componentes mecânicos, incluindo o sub-quadro em treliça que transmite leveza e pureza de linhas. A ergonomia assegura ao condutor a máxima capacidade de resposta em todas as condições. O assento é plano, particularmente almofadado para assegurar um movimento amplo e permitir chegar ao chão com facilidade.

 

A Hypermotard 950 RVE é propulsionada pelo motor bicilíndrico de 937 cc Testastretta 11°, que, com os seus 114 cv às 9.000 rpm e 9,8 kgm de binário – 80% do qual já disponível às 3.000 rpm -, é o motor perfeito para oferecer a máxima diversão, tanto numa condução desportiva em pista como em estradas plenas de curvas ou numa utilização diária em percursos urbanos.

 

No topo da gama Hypermotard 950 encontramos a Hypermotard 950 SP, com grafismo de inspiração desportiva e suspensões Öhlins com maior curso, jantes forjadas Marchesini e Ducati Quick Shift (DQS) Up and Down EVO.

 

A moto estará disponível nos Vendedores Autorizados Ducati a partir de setembro, com um preço ainda por confirmar.

Blusões Ducati para o verão 2020

O verão está já à porta e a Ducati recomenda a todos os motociclistas a sua linha de equipamento ventilado. Todas as peças foram desenhadas para enfrentar viagens durante a estação mais quente, sempre com grande atenção ao conforto e segurança.

Os blusões têxteis Ducati e sweatshirts técnicas são fabricados com materiais leves e respiráveis, caracterizando-se por um design único e distinto. Criadas em colaboração com as melhores marcas de vestuário técnico desta indústria, estão equipadas exclusivamente com proteções certificadas CE, especialmente desenhadas para se adaptarem ao protetor dorsal.



A coleção de blusões ventilados para o verão está disponível em shop.ducati.com ou nos Vendedores Autorizados Ducati. Graças às medidas de segurança garantidas pelo programa Ducati Cares, os clientes que desejem visitar a loja poderão experimentar o vestuário antes de o adquirirem.



Blusão têxtil Flow C3
O Flow C3, desenhado pela Drudi Performance exclusivamente para a Ducati, é um blusão leve, respirável e com completa certificação CE. O interior incorpora as proteções Warrior nos ombros e cotovelos e pode também acomodar um protetor dorsal. Um gancho cosido atrás permite que seja utilizado com quaisquer calças, sem necessidade de um conjunto standard, prevenindo que o blusão suba pelas costas. O Flow C3 está também equipado com um forro removível feito de uma membrana de três camas à prova de água e de vento. Disponível para homem e senhora, é o blusão perfeito para as viagens de verão.



Blusão têxtil Ducati Corse Tex Summer C2
O Ducati Corse Tex Summer C2 é um blusão têxtil com um desenho colorido e nascido da colaboração com a Dainese. Feito num misto de tecido leve e perfurado, com um forro para-vento interior, esta peça altamente ventilada foi desenhada especificamente para climas quentes e húmidos e para a estação estival. Conta com inserções em alumínio nos ombros, proteções compósitas nos cotovelos e foi desenhado para se adaptar aos protetores dorsais Wave ou Manis G2.


Blusão têxtil Speed 3
Desenhado por Aldo Drudi e elaborado em parceria com a Alpinestars, o blusão Speed 3 entrou na gama de vestuário Ducati para uso no verão. Para além da presença de proteções CE removíveis nos ombros e cotovelos, esta peça conta com bolsas interiores para acomodar os protetores dorsais e peitorais Nucleon. A combinação de material têxtil e ventilado garante a estabilidade dos elementos de proteção em caso de queda. Os dois ganchos para união às calças mantêm o vestuário na posição correta, prevenindo o blusão de subir pelas costas.



Sweatshirt técnica Downtown C1
Na sweatshirt técnica Downtown, os elementos de proteção típicos do equipamento motociclístico estão inseridos em vestuário lifestyle: uma sweatshirt com capuz removível, equipada com reforços interiores anti-abrasão em fibra de aramida, proteções nos ombros e cotovelos e uma bolsa para o protetor dorsal Nucleon. Conforto, imagem e funcionalidade para uso urbano em moto ou em períodos de lazer, sem sacrificar a segurança de um vestuário com completa certificação CE.

Personaliza a tua paixão

A Ducati oferece 450€ em acessórios e artigos de boutique na aquisição de motos da gama abaixo de 1000 cc e alarga as condições especiais de aquisição aos Profissionais de Saúde.

 

A moto olha para o futuro com otimismo. Mobilidade urbana, escapadelas de lazer e uma porta para o turismo, é a altura de comprar uma moto, o momento de cumprir os teus sonhos e estrear uma Ducati.

 

A melhor gama, diferentes opções de financiamento, incluindo a bonificada tripla opção Ducati Active, grandes promoções e, agora, em junho e julho, uma oferta de 450 € em acessórios e boutique Ducati Performance.

 

 

Em justo agradecimento pelo seu trabalho, igualmente durante o desconfinamento, a Ducati inclui o coletivo de profissionais de saúde dentro de seu programa de condições especiais, oferecendo-lhes as mesmas condições que às forças de segurança, que já se encontravam integradas neste programa.

 

Vamos voltar a acelerar a nossas emoções!

Final do Custom Rumble em direto no dia 25

Na segunda-feira 25 de maio, um júri excecional composto pelo ator Nicholas Hoult, os pilotos Chaz Davies e Andrea Dovizioso, o fundador da BikeShed, Dutch Van Someren, e Filippo Barbacane, irão eleger a Scrambler Ducati de construção custom vencedora da competição. Cinco motos estarão na final, uma por cada categoria de customização, de entre as quais será encontrada a vencedora da terceira edição do Custom Rumble.

 

O encontro está marcado para 2ª feira 25 de maio às 17.00 CEST (16.00 em Portugal) na página de Facebook da Scrambler Ducati para a transmissão em direto da final do Custom Rumble, a competição dedicada às melhores Scrambler Ducati especiais, que atingiu este ano a sua terceira edição.
Entusiastas do mundo da customização e da “Land of Joy” tiveram até dia 15 de março para votarem na sua moto favorita em Scramblerducati.com; quase cinco mil utilizadores expressaram a sua preferência de entre as 74 motos custom a concurso.

 

A cerimónia dos prémios será conduzida pela modelo, influencer e Embaixadora Scrambler Ducati Dominika Grnova, que, por sua vez, já participou no Custom Rumble em 2018. A seu lado estará um júri excecional com personalidades do mundo do motociclismo e fãs da marca Scrambler Ducati, cada um deles em direto da sua própria casa:

 

 

  • Nicholas Hoult, ator britânico visto em Mad Max e About a Boy, bem como um apaixonado Ducatista
  • Chaz Davies, piloto oficial do Aruba.it – ​​Ducati no Campeonato Mundial de Superbike
  • Andrea Dovizioso, piloto oficial do Ducati Team no Campeonato do Mundo de MotoGP
  • Dutch Van Someren, fundador da BikeShed de Londres e motociclista apaixonado
  • Filippo Barbacane, customizador italiano da Officine Rossopuro

 

O júri de especialistas irá decidir a “special” vencedora de entre as 5 finalistas que receberam o maior número de votos online na sua categoria:

 

  • Rocker: 204 votos – Ducati Hellas com a Jigsaw Customs, de Atenas (Grécia)
  • Cut-down: 231 votos – Francesco Russo com a Moto Design Custom, de Nápoles (Itália)
  • All-Terrain: 357 votos – Nguyen Ximong, de Hanói (Vietname)
  • Outsider: 450 votos – Nick Tansley, de Barcelona (Espanha)
  • Bully: 537 votos – Marco Graziani, CC Racing Garage, de Roma (Itália)

 

O vencedor será recompensado com uma bancada de trabalho Beta, incluindo um completo conjunto de ferramentas, um instrumento precioso e funcional para continuar a transformar motos de produção em algo verdadeiramente único.

 

Para seguir a transmissão em direto da final do Custom Rumble, basta ligarem-se à página oficial de Facebook da Scrambler Ducati  às 16.00 (hora de Portugal) na 2ª feira 25 de maio.

Ducati oferece prolongamento de garantia e atualizações gratuitas de software

A Ducati prolonga a garantia por três meses, livre de encargos, tanto para as motos novas com para as que integram a extensão de garantia “Factory Ever Red”. A extensão também inclui uma verificação gratuita com uma atualização do software do motor e do veículo.

 

Os concessionários Ducati estão novamente abertos e prontos para receber os entusiastas. A partir de 4 de maio – tal como decretado pelo Governo – passou a ser possível ir ao seu concessionário de confiança para avaliar a compra de uma moto nova ou usada, ou para a manutenção programada.

 

Após ter apresentado o “Ducati Cares”, o programa que estabelece as linhas mestras a serem adotadas para acolher novamente os Ducatisti nos concessionários oficiais, a Ducati decidiu prolongar a garantia por três meses, tanto para as motos novas como para aquelas que integram a extensão de garantia “Factory Ever Red”.

 

Todos os proprietários de uma Ducati cuja garantia tenha um prazo a expirar entre 1 de março de 2020 e 31 de maio de 2020, podem beneficiar de uma extensão gratuita da cobertura por três meses extra. Para além disto – para aqueles que não puderam levar a cabo as manutenções programadas devido às limitações de mobilidade – é possível recuperar quaisquer cupões até 31 de julho de 2020 sem quaisquer efeitos de perda da validade da garantia.

 

Em colaboração com a sua rede oficial, a Ducati também oferece uma verificação gratuita que inclui atualizações de software de motor e do veículo. Durante a inspeção geral, serão efetuadas verificações funcionais e de segurança, de acordo com os padrões das regras de garantia Ducati (serviço disponível nos concessionários participante no programa).

 

Todos os clientes envolvidos serão contactados diretamente pelo seu concessionário Ducati nas próximas semanas. Para mais informações, os clientes podem contactar o seu concessionário habitual, com quem, de qualquer modo, lhe sugerimos que faça uma marcação.

 

Ducati volta a ligar os seus motores: produção retomada em Borgo Panigale

A Ducati está preparada para regressar gradualmente ao normal, com o retomar da produção na sua fábrica de Borgo Panigale agendado para esta segunda-feira, 27 de abril.

 

Cumprindo com o protocolo regulamentar de medidas para combater e conter o surto de Covid-19 no ambiente de trabalho, a Ducati suspendeu temporariamente a produção na sua unidade fabril de Bolonha na sexta-feira 13 de março, de forma a reorganizar turnos de produção. Depois disto foi emitido o decreto que suspendeu todas as atividades não essenciais e, assim, apesar da organização estar pronta, a produção não recomeçou. A melhoria gradual das condições sanitárias permitiu hoje que o governo autorizasse o recomeço da produção a empresas consideradas estratégicas para a economia nacional, cuja atividade é principalmente dirigida à exportação e, para as quais, o prolongamento da suspensão arriscaria o país a perder quotas de mercado adicionais.

 

Esta é a primeira fase do recomeço, que, de momento, irá envolver apenas uma parte dos trabalhadores destinados às linhas de montagem. O staff de oficina começará primeiro, depois os funcionários responsáveis pela montagem de motores e, a partir de terça-feira 28 de abril, os trabalhadores encarregues da montagem de motos. No que respeita aos restantes funcionários, o recurso ao teletrabalho permanecerá obrigatório, e apenas aqueles que não estejam em posição de poder desempenhar as suas funções a partir de casa serão autorizados a aceder à fábrica. Todos os recursos empregues áreas comercial, de marketing, IT, recursos humanos, finanças, compras e logística irão, assim, trabalhar remotamente. A produção foi reorganizada, indo desde um turno de oito horas a dois turnos de sete horas, para permitir o menor número de pessoas dentro da fábrica ao mesmo tempo, minimizando assim possíveis contactos. O refeitório está ativo, mas com apenas um lugar em cada quatro cadeiras.

 

Os técnicos envolvidos em atividades de Pesquisa e Desenvolvimento que não podiam trabalhar a partir de casa estavam já a trabalhar, de acordo com o código ATECO específico (Classificação de Atividades Económicas): assim, os engenheiros dos bancos de ensaio de motores, aqueles que levam a efeito testes de motos e os que efetuam testes de laboratório estão todos presentes em Borgo Panigale. Todos os designers, responsáveis de projeto e aqueles que trabalham no departamento de cálculo trabalharão remotamente. Isto irá assegurar as entregas de motos Ducati e o desenvolvimento de novos produtos.

 

 

Todas as regras de conduta em vigor na Ducati cumprem com o protocolo atualizado de 24 de abril, e, em alguns pontos, é ainda mais restritivo. Por exemplo, dentro da empresa existe o requisito absoluto do uso de máscara, independentemente do distanciamento. Todo o protocolo da Ducati é o resultado do trabalho de uma comissão conjunta entre a companhia e a RSU (organismo unificado de representação dos trabalhadores), que foi formada a 23 de fevereiro, apenas dois dias após a descoberta da primeira pessoa infetada em Itália. Muitas das medidas tomadas são o resultado de uma análise cuidada dos protocolos utilizados nas fábricas chinesas do Grupo VW, em particular a FAW-VW de Chanchung, onde a produção foi suspensa apenas por uma semana, mas em que a estrita proteção, distanciamento e medidas sanitárias estão ainda em vigor.

 

“Estamos prontos para arrancar, trabalhámos muito nas últimas semanas para minimizar qualquer risco”, diz Claudio Domenicali, CEO da Ducati. “Apesar disto teremos de ser extremamente cautelosos e rigorosos. O vírus ainda está em circulação e devemos, assim, ter cuidado e combater qualquer forma possível de transmissão. Esta é a razão pela qual todas as pessoas presentes na fábrica irão usar máscaras, temos de proteger a população da presença de casos positivos assintomáticos que, ainda que numa percentagem muito pequena, estão presentes hoje e não são identificados pelas medições obrigatórias de temperatura. Testes serológicos podem ajudar, mas representam apenas o imediato; devem ser repetidos todos os dias antes da entrada e isto é, obviamente, extremamente difícil. É por isso que as máscaras e o distanciamento são tão importantes. Iremos, obviamente, adotar os protocolos à evolução da situação sanitárias e às indicações dadas pelo Estado e pela Região da Emilia-Romagna. Estamos em permanente contacto com o Presidente Bonaccini, a quem agradeço pelo apoio, com o conselheiro Calla e o comissário Venturi, para nos prepararmos melhor para esta eventualidade. O mercado das duas rodas é altamente sazonal, e a paragem de produção em março e abril já teve efeitos negativos nas vendas. O mercado chinês já está a florescer, as vendas na Coreia e no Japão estão a correr bem. Na Alemanha, os concessionários abriram há uma semana e já temos uma grande falta de produto. Eu acredito verdadeiramente que este recomeço nos vai permitir reduzir, pelo menos em parcialmente, os efeitos negativos do confinamento que fomos forçados a respeitar, infelizmente na pior altura. Temos um esplêndido livro de encomendas: a novíssima Streetfighter V4, agora lançada, obteve a aprovação unânime da imprensa especializada e é a rainha indisputada da categoria. Infelizmente, a produção foi parada apenas um mês após ter começado. Depois, temos muitas encomendas para a Multistrada 1260 S Grand Tour e para a Panigale V2. Também temos os armazéns vazios de Multistrada 950 e de Scrambler 1100 PRO. Estou convencido que nesta ‘fase dois’ as motos provarão ser um extraordinário meio de combinar diversão, paixão e a possibilidade de ter um veículo com o qual passar o fim de semana, mas também andar com rapidez e segurança na cidade, sem problemas de estacionamento ou distanciamento social. Quero agradecer a todos os empregados da Ducati que de forma paciente colaboraram na gestão desta fase tão anómala, e nos estão a apoiar na gestão do recomeço.”

 

Apesar da reabertura das linhas de montagem, a Ducati confirma que as visitas ao Museu, Fábrica e Fisica in Moto continuam suspensas até novas ordens, para além da entrada na fábrica estar proibida a fornecedores, concessionários, empresas externas contratadas, e staff externo em geral, exceto no caso desta ser comprovada e inequivocamente requisitada para a continuidade das atividades de produção, desenvolvimento de produto e serviços gerais.