The Evolution of Speed

Panigale V4 Panigale V4 S
Potência
215,5 cv (158.5 kW) i 215,5 cv (158.5 kW) i
Binário
123,6 Nm i 123,6 Nm i
Segurança e Técnica
Cornering ABS EVO, DTC EVO 3, DWC EVO, DSC Cornering ABS EVO, DTC EVO 3, DWC EVO, DSC
Preço
26.095 € i 31.295 € i

A Ducati Panigale V4 continua a sua evolução para 2023, com a introdução de uma série de melhoramentos de eletrónica que tornam a moto ainda mais fácil e mais intuitiva para pilotos de todos os níveis.
A família Panigale é a expressão máxima da contínua partilha de informação e tecnologias do mundo da competição para as motos de produção, e, com a versão 2023 da Panigale V4, continuamos neste caminho anual de melhoramento, exatamente como sucede com os protótipos da Ducati Corse.
.
O projeto da Panigale V4 representa plenamente o carácter único de uma marca que trabalha para garantir que tudo o que desenha para a competição, pode ser depois transferido para as motos destinadas aos entusiastas.
.
Com o modelo de 2022, a Panigale V4 teve a mais significativa evolução desde o ano do seu lançamento, com melhoramentos que afetaram todos os aspetos da moto: aerodinâmica, ergonomia, motor, ciclística e eletrónica (link para o press kit completo aqui).
.
Nas versões de 2023 da Panigale V4, Panigale V4 S e Panigale V4 SP2, o passo em frente surge na forma da adoção de um pacote de eletrónica atualizado, capaz de aumentar as sensações de pilotagem e prestações em pista.
.
Para melhorar a estabilidade, precisão e direccionalidade durante a travagem e em curva, e permitir ao piloto definir com maior precisão as melhores definições de eletrónica em cada circuito, a Panigale V4 2023 recebe um novo software no Engine Brake Control (EBC) EVO 2 , que conta com uma diferente calibragem mudança-a-mudança em cada um dos três níveis selecionáveis. A nova estratégia foi desenvolvida para otimizar a intensidade do travão-motor de acordo com a carga na roda traseira. Na primeira fase da travagem, quando existe pouca carga no pneu traseiro, o EBC EVO 2 fornece menos travão-motor, que aumenta à medida que nos aproximamos do centro da curva: o momento em que a intervenção do travão-motor mais contribui para diminuir a velocidade da moto e fechar a trajetória. Graças a esta estratégia, que assegura uma intervenção mais equilibrada do controlo do travão-motor em qualquer fase da pilotagem, o sistema reduz o bloqueio da roda traseira nas mais exigentes situações de travagem, melhorando assim a estabilidade e precisão na fase de curva.
.
A Panigale V4 2023 também recebe uma nova estratégia para o Ducati Quick Shift (DQS) , melhorando a fluidez das passagens de caixa a cada grau de abertura do acelerador, tanto parcial como totalmente, lidando com as duas diferentes situações de forma diversa. Ao passar de caixa a meio gás, onde o sistema anteriormente cortava a injeção, agora o efeito é conseguido pelo retardar do tempo de ignição, suavizando assim a passagem de caixa numa utilização em estrada graças à ausência de qualquer corte do motor. Ao passar de caixa com o acelerador completamente aberto, uma situação típica em pista, a estratégia continua a empregar um corte de injeção, mas a fase de restituição de binário foi refinada, garantindo mais estabilidade à moto e uma mais homogénea – e por isso mais eficiente – aceleração, beneficiando o tempo por volta.
.
Para além destas alterações, existe uma nova estratégia para a ventoinha de refrigeração , capaz de oferecer uma melhor gestão das temperaturas de funcionamento e um maior conforto térmico para o condutor a velocidades típicas do uso em estrada. Esta última atualização também reduz o crescendo do calor no final das sessões em pista.
.
As atualizações para 2023 são complementadas pelo refinamento das estratégias do Ducati Traction Control (DTC) e do Ride by Wire. Este primeiro evoluiu para tornar a ação do controlo de tração ainda mais precisa em função do ângulo de inclinação, enquanto o segundo melhora a ligação entre o binário requisitado pelo piloto e o binário que é na realidade entregue. Estes melhoramentos seguem a filosofia da Ducati de contínuo desenvolvimento do produto, assegurando uma evolução regular para oferecer sempre o melhor nível de prestações, funcionalidade e conforto.
.
Estas atualizações, disponíveis para todos os modelos Panigale V4, V4 S e V4 SP2 2023, também estarão disponíveis para todos os proprietários de Panigale V4, Panigale V4 S e Panigale V4 SP2 2022, através de uma simples intervenção que pode ser efetuada num Ducati Service a partir do final de julho de 2022.

  • Aerodinâmica
  • Motor
  • Ciclística
  • Eletrónica
  • Ergonomia

Carenagem redesenhada

A imagem agressiva da Panigale V4 é também sublinhada pelo trabalho desenvolvido na carenagem, que foi refrescada em comparação com o modelo anterior, para melhorar as definições da aerodinâmica no seguimento das contínuas atualizações efetuadas em MotoGP. Nesta nova versão a moto integra asas com um desenho de duplo perfil mais compacto e fino, com maior eficácia, que garantem a mesma carga vertical, de até 37 kg a 300 km/hora.
.
A parte inferior da carenagem também conta com aberturas de extração revistas, para melhorar o arrefecimento e, assim, a performance do motor, especialmente em pista.
Na Panigale V4 cada um dos pormenores tem o seu próprio valor, e isto é testemunhado, por exemplo, pela pequena abertura no lado esquerdo da carenagem, que permite manter sob controlo a temperatura do sensor do Quickshifter durante um uso intenso em pista.

Mais potente e eficaz

O coração da moto é representado pelo motor Desmosedici Stradale de 1103 cc derivado do MotoGP, que sofreu uma série de atualizações. O Desmosedici Stradale completa mais uma evolução para 2022, graças à introdução de alguns elementos técnicos dedicados, que permitem um aumento de potência juntamente com uma resposta imediata do acelerador.
.
O novo motor conta com um novo silenciador e nova bomba de óleo. O diâmetro das duas saídas dos silenciadores foi aumentado para 38 mm (aumento da secção de gases de 18% em relação aos silenciadores da versão MY2021), permitindo reduzir a contrapressão no escape e, consequentemente, melhorar a performance do motor. A bomba de óleo com menor deslocação e otimização da calibragem do circuito de óleo permite reduzir a absorção de potência.
.
Graças a estas modificações em conjunto com a calibragem específica do motor, o Desmosedici Stradale (de homologação Euro 5) vê a sua potência máxima aumentar 1,5 cv, alcançando 215,5 cv às 13.000 rpm, sendo também capaz de oferecer uma potência mais elevada depois de superado o pico de potência máxima. O motor também entrega um binário máximo de 123,6 Nm (12,6 kgm) às 9.500 rpm, debitando um binário de mais de 100 Nm a partir das 6.000 rpm.
.
Uma das inovações mais destacadas introduzidas pelo motor de 2022 diz respeito à adoção de uma nova caixa de velocidades que apresenta um alongamento das relações para as primeira, segunda e sexta velocidades. Este tipo de relações de caixa deriva da Panigale V4 R – pilotada no Campeonato do Mundo de SBK -, resultando mais orientada para pista, com relações mais adaptadas à utilização em pista e atividades de competição.
.
Passando aos pormenores mais específicos, a primeira velocidade foi alongada 11,6%, enquanto a segunda é mais longa 5,6%. Graças a esta nova caixa, é agora mais fácil atacar as curvas mais apertadas em primeira velocidade, desfrutando de um maior travão-motor e de melhor aceleração à saída das curvas. Para além disto, o pequeno salto em velocidade entre as duas primeiras relações permite ao DQS, agora com nova calibragem, trabalhar com mais eficácia, oferecendo resultados compensadores. Por fim, a sexta velocidade é mais longa 1,8%, permitindo, em combinação com o aumento de potência do motor, uma velocidade máxima 5 km/h superior à da Panigale V4 2021.

Os ensinamentos da competição

A redefinição da parte ciclística da Panigale V4 e Panigale V4 S 2022 traz várias importantes inovações. As opções técnicas específicas são o resultado das experiências recolhidas em MotoGP e SBK, e são dirigidas à melhoria da performance em pista. O objetivo final é muito claro: melhores tempos por volta, alcançados com menos esforço e maior consistência.
.
O Desmosedici Stradale é um elemento estrutural do chassis, diretamente ligado ao reputado quadro ‘Front Frame’ em alumínio. O chassis fica completo com uma leve estrutura frontal feita em magnésio e com o suporte do assento em alumínio fundido, fixo no topo do Front Frame e aparafusado por baixo às cabeças da bancada de cilindros traseira

A versão S da Panigale V4 adota uma forquilha pressurizada Öhlins NPX 25/30, integrando o sistema de controlo eletrónico ‘event-based’ Öhlins Smart EC 2.0, que representa o topo da tecnologia para motos desportivas de estrada. Tem um curso 5 mm superior em relação à forquilha tradicional (125 mm) e usa um sistema pressurizado, com um pistão de 25 mm para gerir a compressão na bainha esquerda e um pistão de 30 mm para gerir a extensão na bainha direita. Esta configuração deriva de SBK e minimiza o risco de cavitação do óleo durante uma utilização mais intensa. O melhor apoio em travagem e, ao mesmo tempo, maior absorção dos ressaltos da estrada. Tudo isto se traduz num maior tato de pilotagem, maior velocidade e uma facilidade acrescida em chegar aos limites. Em virtude do curso mais longo em 5 mm, a nova forquilha pode adotar regulações mais suaves (a rigidez das molas passou de 10 para 9,5 N / mm), melhorando a capacidade de obter uma pilotagem mais suave e mais aderência em condições críticas. Esta nova forquilha é também capaz de oferecer uma porção extra de curso, que aumenta o tato nas secções de travagem mais exigentes.
.
A nova forquilha, combinada que o amortecedor Öhlins TTX36, que se mantém, e com o amortecedor de direção eletrónico, também Öhlins, geram a lógica OBTI (Objective Based Tuning Interface) da segunda geração do sistema Smart EC 2.0. Este sistema que trabalha “por objetivos” e não mais por cliques, permite ao piloto uma gestão muito mais intuitiva do que os sistemas tradicionais.
.
Na nova Panigale V4 o pivot do monobraço está posicionado 4 mm mais acima do que na moto de 2021. Esta opção técnica especial aumenta a ação de anti agachamento (‘anti-squat’), estabilizando a moto em aceleração e ajudando o piloto em todas as fases de abertura do acelerador; mudanças de direção e aceleração à saída das curvas. Esta nova posição do pivot (que é fixa e não ajustável) permite ao motociclista aumentar as oportunidades de ajuste da suspensão.
.
A Panigale V4 S está equipada com jantes em liga leve de alumínio forjado com 3 braços, que têm montados pneus Pirelli DIABLO ™ Supercorsa SP nas medidas (120/70 ZR17 à frente e 200/60 ZR 17 atrás). Quanto ao sistema de travagem, a moto conta com pinças monobloco Brembo Stylema® na frente, com quatro pistões de 30 mm cada, trabalhando em discos com 330 mm de diâmetro que garantem um excecional poder de travagem, enquanto atrás se encontra um disco de 245 mm com pinça de dois pistões.
.
A versão standard da Panigale V4 também conta com uma parte ciclística absolutamente excecional, estando equipada com uma forquilha totalmente regulável Showa Big Piston Fork (BPF) de 43 mm, amortecedor de direção Sachs e amortecedor traseiro Sachs totalmente regulável, bem como jantes em alumínio fundido com desenho de 5 braços.

Tecnologia de vanguarda

A Panigale V4 2022 está equipada com um pacote eletrónico da mais recente geração, baseado na utilização da plataforma inercial de 6 eixos, capaz de detetar instantaneamente os ângulos horizontais, longitudinais e verticais da moto.
.
O pacote de eletrónica gere todas as fases da condução: alguns controlos supervisionam o arranque, aceleração e travagem, outros comandam a tração e outros ainda assistem em curva e nas fases de saída de curva.
.
ABS Cornering EVO
O Cornering ABS EVO pode ser regulado para três diferentes níveis, de modo a corresponder plenamente às necessidades do utilizador em pista ou em estrada, mesmo em condições críticas de aderência
O nível 3 é indicado para utilização em estrada ou em circunstâncias em que exista escassa aderência, garantindo uma travagem mais segura e estável. Os níveis 2 e 1, por seu lado, dão prioridade à potência de travagem e são mais indicados para condução desportiva em pisos de elevada aderência e circuitos. Selecionar o nível 2 permitindo aos condutores deslizar para as curvas em segurança, desfrutando de uma performance acrescida em condução desportiva. Recomendado para sessões em pista, o nível 1 de ABS limita a intervenção do ABS apenas à roda dianteira, embora mantenha a função Cornering para permitir travagens muito fortes até e após o ponto de inserção em curva e a recuperação de erros de pilotagem.
.
Ducati Traction Control (DTC) EVO 3
O DTC EVO 3 deriva da experiência da Ducati Corse e tem uma estratégia refinada que intervém na fase de reabertura do acelerador a meio da curva, de modo a gerir a recuperação do Desmosedici Stradale de um modo suave, modulando a entrega de binário e evitando o pico que poderia existir para uma completa recuperação, de modo a tornar a aceleração à saída das curvas ainda mais fácil e previsível.
.
Ao sair de uma curva, quando quer abrir o acelerador, pode normalmente acontecer que, no fim da fase de recuperação da “linha de tração”, exista um indesejado e inesperado deslizamento da roda traseira devido ao pico de aceleração da cambota, que perturba o piloto quando este está a dosear a reabertura do acelerador.
.
O novo software preditivo ajusta o binário entregue, calibrando a aceleração angular da cambota de modo a tornar a fase de recuperação fluida, o que se traduz num comportamento mais neutral à saída das curvas, com um melhor ‘feeling’ de condução para o piloto.
.
A nova estratégia está ativa em todos os níveis do DTC indicados para pista seca (níveis 1 a 4) e naquele para pista molhada com pneus de chuva (nível 7)
.
Ducati Slide Control (DSC)
Este sistema auxilia o condutor ao controlar o binário entregue pelo Desmosedici Stradale de acordo com o ângulo de deslizamento. O seu propósito é melhorar a performance à saída de curva ao prevenir os ângulos de deslizamento que, caso contrário, seriam difíceis de gerir.
.
O DSC atua com base na plataforma inercial, que proporciona à unidade de controlo do veículo informação crucial sobre a dinâmica da moto (tal como ângulo de inclinação, aceleração e muito mais). Graças a estes dados – e dependendo do nível selecionado pelo utilizador – O DSC amplia a gama de prestações da moto a todos os condutores, proporcionando uma assistência melhorada sob condições de pilotagem extremas.
.
O DSC tem dois diferentes níveis: mudar do nível 1 para o nível 2 resulta num controlo mais fácil de ângulos de deslize que, de outra forma, seriam difíceis de gerir.
.
Ducati Wheelie Control (DWC) EVO
A Panigale V4 está também equipada com a mais recente versão do Ducati Wheelie Control EVO (DWC EVO). Usando a informação fornecida pela plataforma inercial, o sistema mantém controlado o levantar da roda dianteira, ao mesmo tempo que maximiza a aceleração de forma fácil e segura. O DWC EVO proporciona uma leitura mais precisa dos ‘cavalinhos’; assim, exerce um controlo mais preciso para que a moto responda mais rapidamente às solicitações do piloto.
.
Ducati Power Launch (DPL)
Este sistema de três níveis assegura arranques rapidíssimos, permitindo ao piloto focar-se em soltar a embraiagem. Uma vez ativado, tudo o que o condutor tem de fazer é engrenar a primeira velocidade e abrir o acelerador. Durante a fase inicial de arranque, à medida que o condutor vai modulando o libertar da embraiagem, o DPL estabiliza o motor nas rotações ideais de acordo com o nível selecionado. Numa segunda fase, quando a embraiagem foi solta completamente, o DPL controla a entrega de binário para maximizar a aceleração com base no nível selecionado.
.
O DPL faz uso das funções do DWC e mantém sempre ativo o DTC para garantir total segurança em qualquer altura. O sistema automático de desconexão ocorre acima do final da velocidade de arranque ou quando a terceira velocidade é engrenada. Para proteger a embraiagem, um algoritmo desenvolvido especialmente só permite um número limitado de arranques consecutivos. O número de arranques disponíveis é reposto quando a moto é conduzida de forma normal.
.
O DPL tem três diferentes níveis e é ativado ao premir o botão específico no grupo de comutadores direito. O nível 1 favorece os arranques de alta performance e o nível 3 é mais seguro e estável.
.
Ducati Quick Shift up/down (DQS) EVO 2
O DQS EVO 2 com função up/down, desenvolvido para a Panigale V4, utiliza os dados do ângulo de inclinação para maximizar a estabilidade da moto ao passar de caixa em curva. Para além de reduzir os tempos das trocas de caixa, o DQS EVO 2 permite reduções sem recurso à manete de embraiagem, tornando as travagens fortes mais eficazes que nunca.
.
Engine Brake Control (EBC) EVO
O sistema EBC (Engine Brake Control) foi desenvolvido para ajudar os condutores a otimizar a estabilidade da moto em condições extremas de entrada em curva; fá-lo ao equilibrar as forças aplicadas ao pneu traseiro sob condições severas de travão-motor do Desmosedici Stradale.
.
Ducati Electronic Suspension (DES) EVO
A suspensão eletrónica oferece a escolha entre o modo manual ‘Fixed’ – que permite os ‘clics virtuais’ de ajuste manual (32 clics entre totalmente aberta e totalmente fechada para a suspensão dianteira e 10 para o amortecedor) para a compressão, extensão e amortecimento da direção – e o modo automático ‘Dynamic’.
Quando o modo ‘Dynamic’ está selecionado o sistema ajusta automaticamente – com base na informação recebida da plataforma inercial e outros sensores – a compressão e extensão de acordo com o estilo de condução.
O sistema Öhlins Smart EC 2.0 tem a considerável vantagem de permitir aos condutores customizarem a intensidade da resposta da suspensão às ocorrências individuais da condução (travagem, curva, aceleração), deixando-os modificar os parâmetros operativos de cada componente individual do hardware. Isto dá ao utilizador acesso a um avançado controlo dinâmico da moto, aumentando a segurança em estrada e reduzindo os tempos por volta em pista.

Alterações para 2022

A ergonomia foi alvo de uma profunda pesquisa e desenvolvimento por parte dos engenheiros da Ducati, com o objetivo de melhorar o controlo da moto nas mais importantes fases da condução em pista e permitir ao utilizador extrair o máximo da Panigale V4, mesmo durante longas sessões. As principais alterações incidem no assento e no depósito de combustível, tendo ambos sido redesenhados.
.
O assento tem uma forma mais plana e um revestimento melhorado, que permite ao piloto um movimento mais fácil do corpo e reduz a tendência deste se mover para a frente em travagem. O depósito de combustível tem, por seu lado, um novo formato que lhe dá maior capacidade (+1 litro) e oferece uma área de encaixe completamente diferente em comparação com a versão de 2021, permitindo a pilotos de todas as estaturas apoiarem-se melhor em travagem e pilotarem mais depressa e por mais tempo. Graças a esta nova ergonomia, o piloto está mais integrado na moto e fica mais confortável e em melhor posição aerodinâmica. Além disto, a área de contacto dos braços quando se ‘sai’ da moto em curva também foi melhorada.

  • Panigale V4
  • Panigale V4 S

Panigale V4

Riding Modes, Power Modes, Bosch Cornering ABS EVO, Ducati Traction Control (DTC) EVO 3, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Ducati Slide Control (DSC), Engine Brake Control (EBC) EVO, auto-calibragem dos pneus, Ducati Power Launch (DPL), Ducati Quick Shift (DQS) up/down EVO 2, iluminação full LED lighting com Daytime Running Light (DRL), amortecedor de direção Sachs, botões de ajuste rápido, piscas auto-off

Panigale V4 S

Riding Modes, Power Modes, Bosch Cornering ABS EVO, Ducati Traction Control (DTC) EVO 3, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Ducati Slide Control (DSC), Engine Brake Control (EBC) EVO, auto-calibragem dos pneus, Ducati Power Launch (DPL), Ducati Quick Shift (DQS) up/down EVO 2, iluminação Full LED com Daytime Running Light (DRL), Ducati Electronic Suspension (DES) EVO com suspensões e amortecedor de direção Öhlins, botões de ajuste rápido, bateria de iões de lítio, piscas auto-off, jantes Marchesini em alumínio forjado, punhos desportivos.

Vestuário

  • Panigale V4
  • Panigale V4 S
Altura do assento
850 mm
Distância entre eixos
1469 mm
CILINDRADA
1103 cc
Potência
215,5 cv às 13.000 rpm
Binário
123,6 Nm às 9.500 rpm
Peso a seco
175 kg
Altura do assento
850 mm
Equipamento de segurança
Riding Modes, Power Modes, Bosch Cornering ABS EVO, Ducati Traction Control (DTC) EVO 3, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Ducati Slide Control (DSC), Engine Brake Control (EBC) EVO, auto-calibragem dos pneus
Regulação das válvulas (KM)
24.000 km
Altura do assento
835 mm
Distância entre eixos
1469 mm
CILINDRADA
1103 cc
Potência
215,5 cv às 13.000 rpm
Binário
123,6 Nm às 9.500 rpm
Peso a seco
174 kg
Altura do assento
835 mm
Equipamento de segurança
Riding Modes, Power Modes, Cornering ABS EVO, Ducati Traction Control (DTC) 3 EVO 2, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Ducati Slide Control (DSC), Engine Brake Control (EBC) EVO, auto-calibragem dos pneus
Regulação das válvulas (KM)
24.000 km

Especificações
Técnicas