Dreams Matter

Superleggera V4
Potência
224 cv i
Binário
116 Nm i
Segurança e Técnica
Cornering ABS EVO, DTC EVO2, DWC EVO, DSC, EBC
Preço
105.195 € i

Com a Superleggera V4, a Ducati cumpre o sonho de transcender os limites da engenharia, atenção ao pormenor e desenho de motos, com um projeto que representa a maior obra-prima da marca de Bolonha em termos de engenharia, performance e design.

 

A mais potente e tecnologicamente avançada moto jamais feita pelo fabricante de Borgo Panigale será produzida uma edição limitada de 500 motos individualmente numeradas.

 

A Superleggera V4 é a única moto homologada para estrada no Mundo com toda a estrutura portante do chassis (quadro, sub-quadro, braço oscilante e jantes) feitos em material compósito, conseguindo uma redução de 6,7 kg no peso graças a estes componentes.

As carenagens em fibra de carbono também apresentam uma atrativa decoração inspirada nas Desmosedici GP19, que sobrepõe o vermelho da GP19 com o carbono nu, evidenciando formas, materiais e pormenores técnicos.

 

Por debaixo da pele em carbono encontra-se o motor Desmosedici Stradale R, mais leve e potente que nunca. O V4 a 90º de 998 cc que propulsiona a Superleggera V4 pesa, de facto, 2,8 kg menos que o V4 de 1.103 cc. Graças ao escape homologado Akrapovič que a equipa, debita nada menos de 224 cv em configuração legal para estrada (valores de homologação UE). Este número sobe para os 234 cv quando se monta o escape não homologado em titânio da Akrapovič, para uso em pista, incluído no Racing Kit que é fornecido com a moto.

 

Graças à extensiva utilização da fibra de carbono, titânio e componentes em alumínio maquinados a partir do bloco, a Superleggera V4 tem um peso a seco de apenas 159 kg (16 kg a menos que a Panigale V4), resultando numa relação potência/peso de 1,41 cv/kg: um valor recordista para uma moto desportiva homologada para estrada.

 

Com a Superleggera V4, a Ducati eleva os limites ainda mais. A experiência a nível técnico e os conhecimentos desenvolvidos e em contínua evolução em MotoGP são continuamente colocados à disposição dos entusiastas da engenharia e performance em duas rodas.

 

Saiba mais sobre a Superleggera V4 no site internacional específico para o modelo, incluindo mais vídeos, imagens, informação técnica e entrevistas com alguns dos principais resonsáveis pelas várias áreas de desenvolvimento da moto.

  • Aerodinâmica
  • Design
  • Motor
  • Performance

Tecnologia evolutiva

A aerodinâmica de ponta da Superleggera V4 é um upgrade do Aero Package montado na Panigale V4 MY20 e V4 R. Graças aos apêndices aerodinâmicos de configuração biplano que trabalham em concertação com uma carenagem que protege o corpo do piloto e velocidades elevadas, o Aero Package da Superleggera V4 é, na verdade, mais eficaz do que aquele utilizado atualmente nas motos de MotoGP.

Tal como no MotoGP, o desenvolvimento da aerodinâmica envolveu uma série de estudos CFD (Computational Fluid Dynamics), seguidos pela otimização num modelo à escala real em túnel de vento.

A carenagem da Superleggera V4 é feita inteiramente em fibra de carbono, tal como os apêndices biplano que derivam da Desmosedici GP16 – a Desmosedici com a configuração das asas aerodinamicamente mais eficiente de sempre!

Este desenho assegura 50 kg de carga aerodinâmica a 270 km/h, mais 20 kg que o valor gerado pelos apêndices da Panigale V4 MY20 e V4 R.

Uma carga aerodinâmica superior significa menor flutuação do trem dianteiro e reduz a tendência para a roda da frente se elevar a velocidades elevadas. Também significa maior estabilidade durante a travagem, entrada em curva, durante a curva e, claro, melhor estabilidade da moto a velocidades elevadas.

A redução do elevar da roda dianteira – palpável nesta configuração aerodinâmica – significa que os pilotos podem ganhar valiosos metros durante a aceleração. Durante o desenvolvimento foi demonstrado que, ao sair de uma curva lenta de 50 km/h, o mesmo tempo de aceleração (7 segundos) levou a Panigale V4 MY20 quatro metros e meio mais longe que a mesma moto sem o Aero Package (Panigale V4 2019). Montando o novo Aero Package essa distância aumenta para seis metros. Com a Superleggera V4, a melhoria de prestações do motor e o peso mais reduzido aumenta essa vantagem para nove metros e torna a moto 6 km/h mais rápida à saída da curva.

 

A estética da engenharia

O projeto Superleggera V4 significou a mais avançada moto que a Ducati já colocou em produção. Cada parafuso, cada componente, é pesado e controlado para permitir a melhor relação peso/potência. E os pormenores de ordem estética não são exceção, pelo que os habituais ditames estilísticos não podiam ser seguidos.

Para Andrea Ferraresi, responsável pelo departamento de Design na Ducati, “se a tarefa de um designer industrial é evidenciar a beleza da tecnologia, com a Superleggera V4 essa tarefa é elevada ao máximo. Enquanto que, em motos menos extremas, podemos permitir-nos alguns descontos estéticos em termos de rigor de engenharia, aqui não é possível. Nem um. Com o projeto da Superleggera V4 não existe margem para 5 gramas extra de autocolante ou 200 gramas para um trabalho de pintura especial. Não há um único pormenor, nem sequer um de ordem estética, que possa alterar a performance. Para todos os efeitos, esta foi desenhada como uma moto de competição.

E, neste sentido, foi um projeto muito desafiante de se trabalhar, porque o designer tem de ter sempre muito cuidado ao fazer quaisquer alterações, tem de agir de modo muito discreto, mas decisivo, estar atento a todos os pormenores para que a assinatura Ducati seja inequivocamente evidente.”

Potência com baixo peso

O Desmosedici Stradale R que equipa a Superleggera V4 disponibiliza, na sua configuração homologada para estrada, 224 cv às 15.250 rpm e um binário de 11,8 kgm às 11.750 rpm (valores de homologação UE).

No coração da Superleggera V4 encontra-se um motor V4 a 90° de 998 cc, aligeirado graças à utilização de parafusos de titânio e alumínio, uma nova e mais leve embraiagem de 8 discos, árvores de cames maquinadas para reduzir o peso, um tambor das mudanças mais leve, uma bomba de óleo sem fase de retorno e coletores em titânio que trabalham em conjunto com o silenciador homologado Akrapovič. Estas modificações concederam uma redução de peso de 2,8 kg em comparação com o motor V4 de 1.103 cc e produziram um ganho de 3 cv graças à elevada eficiência do escape Akrapovič.

Para aqueles que estão ansiosos por pilotar a Superleggera V4 no seu habitat natural – a pista – a moto conta com um escape completo Akrapovič em titânio (não aprovado para utilização em estrada), incluído no Kit Racing; isto torna a moto 6 kg mais leve que a Panigale V4 e aumenta a potência para os 234 cv às 15.500 rpm, com um binário máximo de 12 kgm às 11.750 rpm.

O motor é um V4 a 90° de 998 cc: contando com cilindros inclinados 42° para trás a partir da posição horizontal, foi desenhado para agir como elemento portante do veículo. O diâmetro dos cilindros é de 81 mm, com os pistões a efetuarem um curso de 48,4 mm graças à cambota contrarrotante em aço forjado acionada pelas quatro bielas em titânio com uma distância centro a centro de 104,3 mm.

A  ordem de ignição Twin Pulse funciona como se o motor estivesse a reproduzir a sequência de ignição de um bicilíndrico. O fator distintivo reside no facto da ignição dos dois cilindros esquerdos ser muito próxima, tal como a dos dois cilindros direitos. No diagrama da distribuição, os pontos de ignição são, assim, 0º, 90º, 290º e 380º. Esta particular ordem de ignição torna o som o V4 muito semelhante ao do Desmosedici de MotoGP.

Os pistões são feitos em alumínio moldado, com um único segmento de compressão e um de óleo, aproveitando a tecnologia “box in box”, que permite conter a altura das saias do pistão e a espessura do corpo, ajudando a reduzir o atrito e as forças de inércia ao mesmo tempo que mantém a resistência e rigidez necessárias.

Na Superleggera V4 o Desmosedici Stradale R está equipado com uma embraiagem a seco STM EVO-SBK em alumínio feito a partir do bloco com um conjunto de discos e cesto de 48 dentes; existem 8+8 discos de embraiagem com um diâmetro de 148 mm. Uma embraiagem a seco disponibiliza um tato muito superior durante a travagem e ao descrever as curvas. Também permite a personalização do grau de travão-motor ‘mecânico’ e, com a tampa de embraiagem aberta em fibra de carbono, caracteriza-se pelo icónico som metálico que os fãs da Ducati acham irresistível.

A emoção da velocidade

A Ducati Superleggera V4 é a melhor expressão da engenharia motociclística contemporânea. É um sonho tornado realidade, o resultado das mais inovadoras pesquisas em dinâmica de materiais e engenharia. Uma demanda que se conclui quando a moto é levada para a pista e testada pelo piloto, que pode finalmente sentir as mais intensas emoções.

Falámos com Alessandro Valia, Piloto de Testes Oficial da Ducati. “É uma emoção poderosa. Antes de mais nada, o orgulho de ter feito parte de um projeto tão importante. E o sentimento de dedicação e meticulosa atenção em tentar transformar a excelência técnica e mecânica em prestações nunca antes vistas numa moto de produção.

A colaboração dos designers da Ducati com Alessandro Valia traduziu-se em sensações extraordinárias. “A primeira saída à pista foi espantosa. Antes de mais a travagem, depois sentia-se claramente que a moto tendia a seguir as trajetórias de forma natural. É uma característica rara que nos dá uma grande paz de espírito e nos permite esquecer os aspetos técnicos, focando-nos apenas no nosso estilo de condução.
O trabalho no chassis garantiu resultados extraordinários: é incrivelmente fluida nas mudanças de direção.”

A agilidade também é incrementada pela total estabilidade. Graças ao trabalho feito na aerodinâmica, a carga vertical fornecida pelos apêndices aerodinâmicos cola a moto ao asfalto, permitindo uma intervenção menos decisiva do controlo de tração na entrega de potência.

“A moto tem uma aceleração impressionante. Mas a característica mais desarmante é que nos sentimos completamente à-vontade, no total controlo da moto. Graças ao pacote aerodinâmico podemos abrir totalmente o acelerador, especialmente à saída das curvas, sem nos preocuparmos em fazer um cavalo. O impacto das asas foi particularmente importante quando a testámos em Portimão, uma pista com variações constantes de elevação em alta velocidade. Mas, especialmente na subida antes da reta, onde as motos tendem a levantar a roda da frente, esta fica firmemente no solo, totalmente estável e com um grip sólido. Uma estabilidade que nos permite manter o acelerador aberto quando é mais importante.

O que realmente me espanta é a sensação de segurança transmitida pela moto. Apesar da impressionante relação peso/potência, permanece ágil e intuitiva. É verdadeiramente uma moto desenhada para levar os pilotos a expressarem o seu melhor. Durante os testes fiz uma volta em Mugello em 1m52,45s. A apenas dois segundos da Panigale do Michele Pirro quando ele venceu o CIV SBK. E a Superleggera V4 é completamente ‘street legal’: fui capaz de buzinar em jeito de adeus a alguns mecânicos de equipas de GP que estavam naquele dia em Mugello. Imaginem as suas caras!
Pilotá-la é um sonho. Agilidade sem igual. Potência cheia de personalidade. Tudo o que conseguimos sentir é a pura emoção da velocidade.”

  • Superleggera V4

Superleggera V4

As carenagens em fibra de carbono são parcialmente pintadas com uma decoração inspirada na Desmosedici GP19, que se sobrepõe o vermelho da GP19 com o carbono que evidencia as forma, materiais e pormenores técnicos.

Vestuário

  • Superleggera V4
Altura do assento
835 mm
Distância entre eixos
1480 mm
CILINDRADA
998 cc
Potência
224 cv / 15.250 rpm (234 cv / 15.500 rpm c/escape racing completo)
Binário
116 Nm / 11.750 rpm
Peso a seco
159 kg (152,2 kg c/ kit racing)
Altura do assento
835 mm
Equipamento de segurança
Riding Modes, Power Modes, Cornering ABS EVO, Ducati Traction Control (DTC) EVO 2, Ducati Wheelie Control (DWC) EVO, Ducati Slide Control (DSC), Engine Brake Control (EBC) EVO, Autocalibragem dos pneus
Regulação das válvulas (KM)
24.000 km

Especificações
Técnicas